Você fuma maconha estragada?

Uma das consequências da guerra as drogas é o estigma sobre os amantes da erva. Se pararmos para pensar então, esse estigma seria dissolvido apenas com a legalização?


Sabemos que esse preconceito é muito antigo e anterior a proibição, não tendo relação apenas com sua ilicitude, mas também com os grupos que a consumiam.


Entre os usuários de álcool, é comum a classificação do tipo de bebida de acordo com a classe social do sujeito, como por exemplo, achar "chique e elegante" quem bebe vinho e whisky e achar "pinguço e pé inchado" quem bebe cerveja ou cachaça, o usuário de álcool sofre o estigma de outra forma, por consumir uma droga legalizada. Que mesmo com os danos que podem causar, passam por uma gama de verificações e testes para assegurar sua qualidade.


No Brasil, o maconheiro é submetido ao sistema proibicionista, que abre espaço para que narcotraficantes ganhem protagonismo no mercado ilegal. De tal forma que, pensando somente no lucro, disponibilizam em maior quantidade, a maconha prensada.


Então maconha prensada é a tal maconha estragada? Não necessariamente.


Até ficar do jeito bom para ser fumada, a maconha passa por diversos processos, que são ignorados pelos que produzem o famoso prensado. Primeiro que as plantações geralmente são de guerrilha, plantas de maconha entre outros tipos de plantas, não há separação entre machos e fêmeas, podas e etc.


Outro ponto é a secagem e armazenamento, que não ocorrem na maioria das vezes, a planta é colhida e colocada para secar em poucos dias, oq não é recomendado. Assim, a planta entra em decomposição dentro do tablete, chegando na sua mão com aquele odor de amônia, e bem escura.


Por isso é necessário que lave o prensadim pois, além dos galhos, sementes, folhas e amônia, existem outras coisas que você com certeza não vai querer fumar.




122 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo